quarta-feira, maio 16, 2007

"A nova primavera do político"



"Será ainda possível reconciliar as pessoas com os políticos? Numa realidade em acelerada transformação, cada vez mais os cidadãos se distanciam da política e cada vez menos intervêm na vida pública do seu país. Grande parte da população, desencantada, vê os políticos como incompetentes e incapazes de compreenderem o povo. É neste contexto que os políticos se vêem confrontados com um grande desafio: aproximarem-se dos cidadãos e adaptarem-se aos novos ensejos da globalização. É dessa conjuntura que nasce este ensaio, resultado do debate entre prestigiados sociólogos, historiadores e outros intelectuais de oito países. Uma cativante reflexão sobre a crise política dos nossos dias."
Fundação Calouste Gulbenkian

um dos próximos livros a ler, de Michel Wieviorka

3 comentários:

www.irreal.blogs.sapo.pt disse...

Que concentrados estamos nos nossos politicos :-)

bravosdomindelo disse...

caso nao saibas, é para isso que me pagam, promover a boa governança, resolver o "diferendo" entre politicos e cidadaos... estranha profissao esta é certo, mas para mim é um dos factores criticos para promover o desenvolvimento e é com o maior empenho que o faço, embora me sinta por vezes incapaz. sou pago pelos politicos para trabalhar pelos cidadaos.

seforis disse...

Não sei porquê, cada coisa que escreves toca-me sempre profundamente. Ou de forma mais feliz ou o oposto...desta vez fiquei "tocado" pelos dois lados...podia descrever exactamente o que sentiste quando escreveste isso. De qualquer forma, de um modo ou outro, todos somos pagos por aquilo que deveríamos fazer, mesmo que às vezes, subtilmente nos “peçam” para não o fazer… Contraditório? Caminhando te esclarecerei a clareza ambiental da natureza das coisas que fazemos e, em nome dela, muito em segredo, xiuu. Faremos aquilo que nos pedem desejando que não o façamos :-). Um abraço amigo Pedro!